Podosfera

Podosfera

substantivo feminino

internacional, do inglês: podosphere

Podosfera é um neologismo oriundo do mundo digital, que compreende a comunidade formada por um ou mais podcasts. Numa interpretação livre, indica o universo formado por podcasts e podcasters. Sua etimologia remete ao conceito de noosfera (mundo do pensamento), com a diferença de que a forma de manifestação do pensamento aqui, se dá por arquivos de áudio.
É similar ao termo blogosfera.

Funcionamento

Tal qual a blogosfera e redes sociais, para funcionar, a podosfera depende de um feed, onde constam os episódios dos podcasts, com informações como o caminho para o arquivo de áudio, resumo por escrito, descrição, tempo de duração. Cada podcast têm seu feed, e esses feeds em conjunto, compõe a podosfera.

Comunidade

Diferente de podcasts oriundos da grande mídia, como rádio, jornais e revistas, tal qual a blogosfera, a podosfera engloba o trabalho de pequenos produtores, em sua maioria amadores, mas também há jornalistas ou editores de áudio.

Apesar disso, muitos grupos de grande porte como CBN (Organizações Globo), Estadão (OESP), Folha (FSP) e NZN (NZN), vêm investindo nesse nicho, formando “podosferas menores” já que dificilmente, esses grandes grupos não têm bom trânsito com o restante da comunidade, onde geralmente ouvintes e produtores se confundem e já são – ou se tornarão – podcasters.

Apesar do caráter independente, a podosfera faz uso de plataformas já consagradas para disponibilização de seu conteúdo. Em geral utilizam SoundCloud e MixCloud para disponibilizar os arquivos de áudio e Itunes, Blubrry, Mundo Podcast e Podflix para disponibilizar o feed. Há plataformas menores e gratuitas, como Senscast e Dissonante, mas contam com curadoria e não aprovam todos os podcasters. Mais recentemente, o TuneIn começou a dar suporte aos feeds, essenciais  à distribuição do conteúdo.

Características

A grande maioria dos podcasts famosos neste universo, tem como características:

  • Uso maciço de edição e pós-produção
  • Uso de offs (gravações independentes, unidas na edição) e softwares de VoIP como Google Hangouts ou Skype
  • Grande desenvolvimento e debate dos temas abordados no episódio do podcast, muitas vezes com mais de 3 ou 4 indivíduos discutindo por mais de 60 minutos.
  • Técnicas de captação de áudio simples, como microfones de eletreto conectados a notebooks, algumas vezes utiliza-se interface.
  • Uso de softwares DAW para corrigir, além de problemas técnicos, problemas de enredo e redação.
  • Excessiva repetição de temas como fandoms de material audio visual, animações, séries, reality shows e filmes. Em seguida aparecem temas ligados à política, cultura e quadrinhos
  • Crossovers entre podcasts com integrantes participando em conjunto ou em off.